Logo
9 Dezembro, 2019       LISBOA - MAX. Times of clouds and sunº, MIN. 04º

 
D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31
Dossiers  |  Camilla Watson
Camilla Watson
Anna Almeida
Camilla Watson
Camilla Watson é uma fotógrafa britânica instalada em Lisboa há pouco tempo. Descobri o último trabalho que realizou nas paredes do Beco das Farinhas através de um vídeo sensacional, realizado para o programa Nós por Cá. Decidi de imediato saber mais sobre ela e contactei-a. Camilla recebe-nos de braços abertos no seu atelier, lisonjeada pelo interesse demonstrado para com o seu trabalho. Tenho a impressão de conhecê-la desde sempre. Por escrito ou oralmente, insiste para que comuniquemos unicamente em Português.
Pouco depois de termos chegado, Violeta, uma vizinha que fotografou, entra no atelier, beija-nos como se fôssemos da família e conta-nos o último episódio da sua vida. Passaram jovens na viela, pararam demoradamente frente ao seu retrato e fizeram alguns comentários acerca da beleza que tivera outrora. « E tenho 75 anos - conta-nos ela com orgulho – , sou a estrela do bairro! » Gargalhada geral. A vizinha vai embora e retomamos a entrevista:

LIL : Teve dificuldade em convencer os idosos a deixarem-se fotografar ?
CW : Aconteceu naturalmente. Primeiro, obtive o acordo do Sr. Carlos. E pouco a pouco, as coisas foram fluindo. Após alguns dias de indecisão, uma vizinha que passa a vida à janela diz: “Mudei de opinião, quero a minha foto na fachada!”. No final, quase houve ciúmes no bairro.
Os retratos são revelados directamente na parede, como por magia, sem recurso ao papel. Camilla explica-nos o processo, a preparação, o dispositivo que imaginou, uma câmara negra em grande escala, o projector alterado, a obra de uma verdadeira apaixonada. Mostra-nos a sua colecção de “azulejos-retrato”, realizados com a mesma técnica. Um transeunte entra no atelier sempre aberto, admira as peças com um ar divertido e volta a sair.
LIL : Os azulejos estão à venda? O atelier também serve de loja?
CW : Já me fizeram essa pergunta. A porta está sempre aberta, as pessoas entram, as crianças espreitam com curiosidade. Talvez consiga ficar rica – diz, rindo. Mas a actividade comercial não me atrai, prefiro dedicar-me a experiências novas.
Voltamos a falar do seu percurso para percebermos o que a trouxe a Lisboa.
CW : Trabalhei durante muito tempo para as ONG, em África e mais recentemente no Brasil, onde dava aulas. A caminho de São Tomé e Príncipe, parei em Portugal para tirar um curso de Língua Portuguesa, que acho muito diferente do Português do Brasil. Após algumas semanas passadas aqui, não tive mais vontade de partir.
Mostra-nos um pequeno retrato de criança a preto e branco tirado com a sua máquina fotográfica muito vintage, com três lentes e o visor na parte superior. Em seguida mostra-nos fotos de calçada, outro trabalho realizado com uma sténopé. (pinhole camera)
LIL : Magnífico! O resultado é muito diferente. Trabalha muito com preto e branco?
CW : Para sobreviver, é também preciso recorrer ao numérico, à cor; foi o que fiz durante muito tempo. Depois, cansei de trabalhar com o computador, por isso estou agora a voltar a uma fase mais orgânica, em que meto literalmente as mãos na massa.
Passamos a falar dos seus projectos futuros. A EGEAC e a Câmara Municipal de Lisboa mostraram muito interesse no seu trabalho E como adorou entrevistar os “velhotes”, está a preparar um livro que até poderia integrar o Arquivo Fotográfico, pois existem muitos poucos registos sobre a vida do bairro. Camilla fala-nos também da sua participação em diversos projectos ligados ao bairro da Mouraria, local de diversidade étnica e cultural: retratos, valorização do património, uma nova exposição fotográfica em perspectiva…
De forma muito amadora e um pouco confrangida, arrisco perguntar: «posso fotografá-la, aqui, no seu atelier? ». “Concerteza.Com o Dom Quixote?” (o seu afectuoso cachorro, que está adormecido). Não pergunto se faz parte dos seus planos deixar Lisboa um dia. Presumo que não, pelo menos assim o desejo eu.
 
Para mais informação…
Atelier : Largo dos Trigueiros (metro Rossio)
Exposição fotográfica : Beco das Farinhas, ao lado do atelier
Website : www.camillawatsonphotography.net


Exposição temporária: “Gentes de Almada” , Museu da Cidade, Almada até outubro de 2010
www.museu.cidade@cma.m-almada.pt  Aberto de 2a a sab: 10-18.00h.
As fotos retratam 16 famílias residentes em Almada. Dão destaque à diversidade das populações deste bairro que ilustram as ondas de imigração do século passado.


  
© 2007  LIVINGINLISBON.COM  - Todos os direitos Reservados