Logo
24 Outubro, 2019       LISBOA - MAX. Partly sunnyº, MIN. 03º

 
D S T Q Q S S
1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 31
Dossiers  |  A arte contemporânea brinca com quatro centenários !
A arte contemporânea brinca com quatro centenários !
Claire Baudoin
A arte contemporânea brinca com quatro centenários !
Quatro jovens artistas – o mais velho com apenas 34 anos – trazem nova luz sobre os veneráveis elevadores lisboetas da Glória, Lavra, Bica e Santa Justa, todos concebidos pelo engenheiro português, de ascendência francesa, Raoul Mesnier du Ponsard (1849-1914).


Ascensor do Lavra A VIAGEM
O artista Vasco Araújo ficou surpreendido com os muros altos, principalmente constituídos por paredes cegas, que desfilam durante toda a curta viagem, impedindo qualquer distracção do olhar. Desta maneira, o passageiro é obrigado a entrar noutra noção do tempo, como numa viagem introspectiva. É convidado a pensar e reflectir sobre a sua grande viagem, a viagem da Vida, a viagem da sua Própria Vida. O artista materializou este conceito com frases escritas nas paredes do ascensor, muitas vezes fazendo referência à literatura, dos Gregos aos Romanos, de Shakespeare a F. Pessoa : « Ah ! Os caminhos estão todos em mim ». O Viajante deixa-se ir a essas leituras e a uma conversa silenciosa, perante o olhar dos outros...


Ascensor da Glória IN.TER.SEC.CÃO
Quando começou a funcionar em 1885, utilizava um sistema com cremalheira e contrapeso de água : quando o reservatório da cabine de cima estava cheio, descia os 265m de declive. Inversamente, quando o reservatório da cabine de baixo estava vazio à partida subia facilmente até acima. Foi este sistema de atracção, equilíbrio e por fim de oposição das forças que marcou Susana Anágua (um nome predestinado!). Ela focalizou o instante mágico e fugaz de equilíbrio desta troca mecânica, precisamente no momento em que os dois elevadores se cruzam : exactamente neste instante, dispara um flash à altura dos olhos, que imediatamente se repercuta na calçada parcialmente recoberta de pintura fotoluminescente. Infelizmente nesta altura a chuva é tão intensa que a pintura desagrega-se.

Nota : o único funicular no mundo, inaugurado em 1882, ainda a funcionar com este sistema hidráulico é o do Santuário do Bom Jesus do Monte, em Braga.


Ascensor da Bica ESPECTRO
A ideia de Alexandre Farto foi de revestir as duas cabines amarelas com uma superfície de espelho. Tornaram-se refletoras (do latim : spectrum = visão) do dia-a-dia dos moradores do bairro, uma mistura de alunos, estudantes, trabalhadores e de reformados que seguem a vida deles. Ao cair do sol, regressam e recolhem-se dentro das casas. Pessoas vindas de outros horizontes, tomem então posse da rua e a vivência do bairro continua até de manhã. Por breves instantes os ascensores-reflexos fixam todas estas imagens furtivas. De certa forma, tornam-se um ecrã de cinema mudo.
Podemos também aqui ver uma forma de luta contra os graffitis !


Elevador de Santa Justa Querido(a) Passageiro(a)
Inventado em 1902 por Raoul Mesnier du Ponsard, este elevador vertical liga a Baixa ao Carmo, sem esforço. Os utentes em movimento formam por alguns momentos uma comunidade, apesar das origens, culturas, e experiencias mais diversas. Ficam imersos num espaço reduzido, praticamente sem visibilidade para o exterior. A artista Susana Mendes Silva aponta para estas características : ela aproveita a súbita tomada de consciência do Passageiro, do Observador, do Próximo, chamando-o, criando um diálogo com estas poucas palavras : Querido(a) Passageiro(a) escritas em diferentes idiomas e aplicadas nos vidros.




Estas quatro intervenções plásticas integram-se num projecto da Carris, que se intitula "Carris Arte em Movimento". Deixe-se tentar por estas experiências contemporâneas que acabam no próximo 30 de junho.


Claire Baudoin
Guia profissional


  
© 2007  LIVINGINLISBON.COM  - Todos os direitos Reservados